Bestiário Medieval

Os Bestiários Medievais foram uma das fontes de inspiração para o Bestiário Tradicional Português . Ilustravam criaturas reais, imaginárias ou que, apesar de serem reais, eram representadas com muita imaginação. Hoje, muitas dessas antigas representações parecem-nos ridículas ou fantasiosas, mas não nos podemos esquecer que os artistas desenhavam, muitas vezes, sem nunca terem visto as criaturas em questão, baseando-se em descrições orais, nem sempre em primeira mão. Assim é também no nosso Bestiário Tradicional: nunca avistámos nenhuma das criaturas que escolhemos representar! img4458

Um mundo habitado por Criaturas Fantásticas

Já em 1930 havia quem tentasse reunir numa só obra uma grande fatia do imaginário popular. Trata-se de Jaro Hess, um autor Checo emigrado nos Estados Unidos da América, em cujas pinturas ecoam as personagens e os lugares dos contos e das lendas. Este link permite fazer zoom sobre a imagem com enorme detalhe. É uma espécie de Bestiário Tradicional mais abrangente e numa só (enorme) folha de papel.8153000_small.jpg

Bestiário Tradicional Português

O Bestiário Tradicional Português é a primeira obra que reúne e ilustra as criaturas fantásticas que povoam o imaginário nacional.
Homem do Saco, Bicho-Papão, Olharapos, Ganchas e Trasgos são apenas alguns exemplos de um total de 34 criaturas genuinamente portuguesas, a maior parte nunca antes ilustradas.
Recorrendo a fontes escritas e a extensa recolha oral, os autores procuraram sistematizar informação muito dispersa e variada, recolhida ao longo dos anos por si e pelos mais ilustres etnógrafos portugueses, como Leite de Vasconcelos, Consiglieri Pedroso e também Alexandre Parafita, Alexandre Herculano, Júlio Dinis e Teófilo Braga.
Nuno Matos Valente elaborou a pesquisa e o texto e Natacha Costa Pereira ilustrou, interpretando artisticamente séculos de memória coletiva.
bestiario3dfacepromo

Criptozoologia

Há quem insista em avistar criaturas, muitas vezes animais míticos que acreditam existir em locais remotos, como o monstro do Loch Ness e o Abominável Homem das Neves. O “estudo” de tais criaturas chama-se Criptozoologia, como se pode ver neste belo mapa norte-americano. O Bestiário Tradicional Português inclui algumas criaturas que se enquadram na categoria de “críptidos“, isto é, animais que, supostamente, vivem escondidos ou que estão por identificar, como a Zorra Berradeira no Algarve, os Maruxinhos em Trás-os-Montes e o Bicho Cidrão na Madeira.24fca2ba00000578-0-image-a-1_1422039788295